blog

EMDR

O que é EMDR?

A sigla EMDR significa Eye Movement Desensitization and Reprocessing: Dessensibilização e Reprocessamento por meio dos Movimentos Oculares. O EMDR é um modelo psicoterápico que integra teorias psicológicas – cognitiva, humanística, sistêmica, psicodinâmica e somática -, psicoterapias (ex. baseadas no corpo, cognitivo-comportamental, interpessoal, centrada na pessoa e psicodinâmica) e elementos teóricos como afeto, apego, conduta e processamento bio-informacional, em um conjunto padronizado de procedimentos e protocolos clínicos. O EMDR se fundamenta na premissa de que cada pessoa possui uma tendência inata para a saúde e a integração, e a capacidade interna para alcançá-las.  A técnica foi descoberta por Francine Shapiro no final da década de 80. Inicialmente era utilizada para pacientes que sofriam de stress pós traumático, hoje seu uso foi ampliado para outras patologias bem como para a otimização do desempenho. Deve ser aplicado por psicólogos e psiquiatras (CRP e CRM) devidamente capacitados pelo EMDR Institute, pois a técnica mau conduzida pode causar retraumatização.

Como funciona?

O cérebro é um orgão com subdivisões, áreas com diferentes características bioquímicas e diverso em sua organização celular. Dividido entre hemisférios direito e esquerdo: no lado direito predomina o comando das nossas emoções e potencial artístico, no esquerdo, as conexões que regulam nossa capacidade racional e lógica. Outra divisão importante vem de nossa evolução como animais. São diferenças marcadas por três momentos da evolução: répteis, mamíferos, humanos.

Com o EMDR ativamos várias áreas cerebrais através da estimulação sensorial bilateral. Um processo simples que promove a dessensibilização daquilo que nos incomoda colocando-nos em um estado mais adaptativo e saudável no qual razão, emoção e ação estão mais alinhadas.

Modelo de funcionamento do EMDR

O modelo de Processamento Adaptativo de Informação é a base teórica da abordagem do EMDR. Baseia-se nas seguintes hipóteses:

1.  Dentro de cada pessoa existe um sistema fisiológico de processamento da informação por meio do qual as experiências e informações novas são processadas para alcançar um estado mais adaptativo.

2. A informação é armazenada em redes de memória que podem conter pensamentos, imagens, registros auditivos, olfativos e de sensações corporais, todos relacionados entre si.

3. As redes de memória organizam-se de acordo com sua relação com o evento mais antigo.

4. Se, durante períodos de desenvolvimento cruciais do indivíduo, as experiências traumáticas e as necessidades interpessoais são continuamente negligenciadas, podem produzir bloqueios na capacidade adaptativa do sistema de informação. Esses bloqueios poderão impedir a resolução de eventos traumáticos ou perturbadores.

5. Quando a informação armazenada nas redes de memória relativas a uma experiência traumática ou perturbadora não é completamente processada, torna-se possível o surgimento de reações disfuncionais.

6. O processamento para estados adaptativos resulta em aprendizagem, alivio da perturbação emocional e somática, e em possibilidade de obter respostas adaptativas e integradas.

7. O processamento da informação é facilitado por tipos específicos de estimulação sensorial bilateral. Baseada em dados obtidos pela experiência e observação, Shapiro  refere-se a ela como estimulação bilateral (Shapiro, 1995) e estimulação de atenção dual (Shapiro, 2001).

8. Os procedimentos do EMDR fomentam um estado de equilíbrio ou de atenção dual entre a informação internamente acessada e a estimulação bilateral externa. Nesse estado, o paciente experimenta, simultaneamente, a lembrança perturbadora e o contexto presente.

9. A combinação dos procedimentos do EMDR com a estimulação bilateral resulta em uma diminuição da intensidade das imagens da lembrança perturbadora e da emoção a ela relacionada, facilitando o acesso a uma informação mais adaptativa e possibilitando novas associações dentro das redes de memória, bem como entre elas.

Indicações

Pessoas de todas as idades podem usufruir dos benefícios do EMDR tanto para a terapêutica como para a otimização do desempenho. Indivíduos com deficiência auditiva ou visual também se beneficiam pois a estimulação bilateral pode ser visual, auditiva ou tátil. A aplicação do EMDR pode ser feita:
- Acidentes em geral;
- Baixa auto-estima;
- Bullying (humilhação, exclusão, difamação e agressão na escola);
- Dificuldades de aprendizagem;
- Gagueira;
- Pânico;
- Depressão;
- Fibromialgia;
- Fobias;
- Dificuldades de relacionamento;
- Timidez;
- Problemas relacionados ao desempenho sexual;
- Somatizações;
- Excesso de ansiedade, ciúmes, culpa, tristeza, raiva, vergonha, medos;
- Dores;
- Dor fantasma;
- Estresse pós-traumático;
- Memórias perturbadoras;
- Pesadelos recorrentes;
- Perda de entes queridos;
- Vítimas de catástrofes naturais;
- Violência – verbal, corporal, sexual;

 

Importante: EMDR recebeu um alto nível de recomendação pela Associação Americana de Psiquiatria e pelos Departamentos de Saúde Mental de Israel, Irlanda do Norte, Inglaterra, França, Suécia, e outros países. Para uma lista completa, visite: http://www.EMDRHAP.org/researchandresources.htm

Em Maio/2011 foi aprovado como uma abordagem psicoterapêutica baseada em evidências, recebendo o mais alto selo de aprovação e garantia dado pelo NREPP do governo americano – Registro Nacional de Programas e Práticas baseadas em Evidência. Este registro é dado pelo Departamento Americano de Saúde e Serviços Humanos.Link para o documento oficial:
http://nrepp.samhsa.gov/ViewIntervention.aspx?id=199.

Websites e profissionais que questionam a eficácia do EMDR, ou dizem que há pouca pesquisa relacionada à técnica, estão desatualizados.