blog

Brainspotting

O Brainspotting é uma ferramenta neurobiológica onde requer a elaboração de um plano de tratamento cuidadosamente definido, por isso deve ser realizado somente por um psicólogo ou médico devidamente treinado por instituições reconhecidas.

Descoberto pelo Dr. David Grand, PhD, quando este utilizava a técnica do EMDR (ver atendimento/EMDR). O Brainspotting alcança experiências e sintomas que normalmente estão fora do alcance da mente consciente. Lida com o cérebro ‘profundo’ mediante acesso direto aos sistemas autônomo e límbico do sistema nervoso central, tendo consequências psicológicas, emocionais e físicas.

Nesta técnica procuramos encontrar o “brainspot” – ponto no cérebro –através uma posição ocular relacionada à ativação energética/emocional de um tema perturbador. Este ponto cerebral, o brainspot, é um subsistema fisiológico que armazena a experiência emocional perturbadora sob a forma de memória.

Mas como funcionam?

O cérebro funciona como um grande processador das nossas experiências e funciona da seguinte forma:

Pela manhã entro no elevador, cumprimento a vizinha e esta, me da um ‘bom dia’ muito mal educado. E fico com raiva, pois sempre trato as pessoas com educação. “Como ela pôde fazer isso comigo?”, “Sempre me olhou de cara feia”, etc.

A noite, ao dormir, o nosso cérebro faz a maior parte de seu trabalho de processamento. Ele ‘digere’ as vivência do nosso dia a dia.

No dia seguinte acordo e lembro da minha vizinha e penso: “Mas que bobagem a minha, me incomodar com esta vizinha! Nem é uma pessoa importante em minha vida! Ela devia estar num dia ruim, não vale à pena me chatear.”

Eu consigo enxergar o mesmo problema com uma perspectiva diferente mais saudável, mais adaptativa, entende? Esse processamento que o cérebro faz é como se fosse uma digestão: ele aproveita o que “preciso de minhas experiências de vida, mas manda embora as que “não preciso” como os sentimentos de ansiedade, de mágoa, raiva, por exemplo. E então aquela vivência não mais interfere negativamente no meu presente. Esse é um mecanismo de auto-cura que nosso cérebro tem, assim como tem o resto do meu corpo. Em um corpo saudável, se a pessoa se corta a cicatrização é feita (auto-cura). No entanto, se o corte for muito profundo, meu corpo pode não dar conta de se curar sozinho, precisará da ajuda externa e o mesmo acontece com meu cérebro: se a experiência emocional for muito intensa, meu cérebro pode não dar conta de processá-la. Quando isso acontece, a experiência é armazenada de uma forma ‘não processada’, ainda contendo as emoções, sensações e pensamentos negativos que ocorreram no momento do evento original. Então, quando estou diante de algo (disparador) que me remete àquela memória, mesmo que seja algo simples e sem significado, vou sentir as mesmas sensações de raiva, mágoa, ansiedade, sem muitas vezes entender o por que. Isso pode acontecer anos depois do acontecido inicial, mesmo que eu não tenha mais a memória consciente do que houve.

No exemplo acima, vamos imaginar que eu tenho um histórico de uma mãe muito agressiva verbalmente. Provavelmente muitas das experiências com minha mãe na infância não foram processadas e ficaram armazenadas com a mesma mágoa e autocondenação da época (A criança não tem condições de entender que a mãe é desequilibrada. Ela normalmente entende que se a mãe a xinga tanto, é porque ela é uma criança muito má, crença que pode carregar pela vida toda, se achando sempre culpada por tudo). Então no exemplo acima, a vizinha pode virar um disparador para os sentimentos não processados em relação à minha mãe, e meu cérebro de novo pode não conseguir processar essa experiência. Então vou acordar dia seguinte e continuar incomodada com a vizinha. Uma parte minha sabe que é bobagem, mas outra parte fica remoendo aquilo tudo, pois mesmo sem eu me dar conta, estou reagindo não só à vizinha, mas a todas as memórias não processadas a que aquela experiência me remeteu.

Então o Brainspotting nos ajudam a fazer o que um dia nosso cérebro sozinho não deu conta de fazer: processar as experiências da minha história que continuam disparando sentimentos, comportamentos e/ou pensamentos negativos e que podem ser pano de fundo para vários transtornos psiquiátricos e psicossomático. Seja seu problema grande ou pequeno, é muito provável que memórias não processadas estejam atuando.

Brainspotting é um instrumento neurobiológico para acessar, diagnosticar e tratar uma grande variedade de transtornos de base somática e emocional.

  • Trauma físico e emocional
  • Recuperação do trauma de lesões e acidentes
  • Enfermidades médicas relacionadas ao estresse e ao trauma
  • Problemas de desempenho, incluindo disfunção sexual
  • Fibromialgia y outros transtornos de  dor crónico.
  • Adições  (em especial desejos obsessivos))
  • Gagueira
  • Síndrome de Fadiga Crónica
  • Fobias
  • Asma
  • Preparação e recuperação de intervenções cirúrgicas.
  • Traumas de guerra e catástrofes naturais.
  • Pânico e ansiedade